quarta-feira, 11 de maio de 2016

Fátima Bezerra afirma que Senado virou tribunal de exceção

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN) foi a última senadora a ocupar a tribuna antes do intervalo previsto até às 19h.

A fala da senadora potiguar
“Tragédia e farsa” foi como a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) classificou a sessão do Senado desta quarta-feira (11), em que é analisada a admissibilidade de abertura de processo de impeachment contra a presidente da República, Dilma Rousseff. Declarando seu voto contrário à abertura do processo, a senadora afirmou que os “golpistas” usaram de todos os artifícios possíveis para cobrir com “manto da legalidade” o que de fato se configura em um golpe de Estado.

A senadora defendeu Dilma, garantindo que ela não cometeu nenhum crime de responsabilidade e afirmou que o impeachment é apenas “a fantasia que oculta um projeto político derrotado nas eleições”. Para Fátima Bezerra, o PSDB entra para a história como um partido de “coveiros da democracia”.

— Se as ações da presidente não configuram crime e não há dolo, o Senado está se transformando neste exato momento em um tribunal de exceção — acusou a senadora, afirmando que a presidente, "uma mulher íntegra e honesta, será afastada como se fosse criminosa".

A senadora terminou seu discurso homenageando nomes históricos da esquerda e exaltando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Vana Rousseff, ambos do PT.
— Quem escolhe o lado certo da história nunca sai derrotado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário