quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Às favas com a liminar

Proxêmica tupiniquim
De Tatuí a Murici, "meninos, eu vi !"

Por aí
"A sensação de que houve acordo para acalmar a reação do Senado é inevitável (...). O próprio Renan antecipou para quem quisesse ouvir qual seria a decisão do plenário do STF já na noite de terça-feira. Na manhã de ontem, já se sabia até mesmo que Celso de Mello daria o primeiro voto." Merval Pereira, O Globo

"O Brasil foi outra vez para o 'tapetão' nesta semana, no julgamento do caso Renan. Já se viu coisa parecida neste biênio de degradação. Gente do governo, do Supremo e do Congresso entra em conversações políticas de aparência legal a fim de evitar impasses, chamados de 'crises institucionais'. Essas próprias soluções são a própria crise institucional." 
Vinicius Torres Freire, Folha de S.Paulo

"O STF saiu dessa queda de braço entre Marco Aurélio e Renan muito menor do que entrou." 
Luiz Carlos Azedo, Correio Braziliense 

"Temer, FH e Sarney articularam solução." manchete d'O Globo

"A 'jabuticabum' suprema. Ganharam o julgamento, graças aos votos dos ministros de sempre e de uma ou outra adesão de última hora: 6 a 3. Tudo com muitas mesóclises e citações latinas para dar a impressão de que as instituições estão funcionando em harmonia. De fato, estão harmonicamente em crise." 
José Roberto de Toledo, Estadão

"A maioria estava feita, a favor de um réu por peculato na presidência do Senado." Marcelo Coelho, Folha de S.Paulo

"E atestou a incontornável rendição do Supremo ao disjuntor da República." Maria Cristina Fernandes, Valor Econômico

"A Justiça, sendo cega, não vê se é vista, e então não cora." Machado de Assis, A Semana

_fonte:Migalhas____________

Nenhum comentário:

Postar um comentário