Prefeitura do Natal

terça-feira, 5 de setembro de 2017

O que se comenta hoje no país


Resumo de hoje — 

O novo áudio que põe a delação da JBS em xeque. As consequências da anulação do acordo. A atuação suspeita de um ex-procurador. A situação delicada de Janot. O impacto político. E outras coisas mais. 


Delação em xeque 
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, convocou jornalistas às pressas na noite de ontem para anunciar a abertura de uma investigação que poderá invalidar as delações premiadas firmadas pelos donos e executivos da JBS. / folha

Revelação 1 
A reviravolta se deu pela descoberta do áudio de uma conversa entre Joesley Batista, um dos donos da JBS, e Ricardo Saud, lobista da empresa. A gravação mostra que os delatores não confessaram todos os seus crimes, condição para terem benefícios penais. / estadão

Revelação 2 
O mais grave, porém, é a sugestão de que Marcelo Miller atuou pela JBS quando ainda estava no Ministério Público, na equipe de Janot. Até então, sabia-se que o ex-procurador havia deixado o cargo para atuar como advogado do frigorífico. / o globo

Reação oficial 
Alvo de uma denúncia de corrupção já enterrada pela Câmara, Temer tem atacado o procurador-geral, a quem acusa de perseguição. Ontem, a defesa do presidente afirmou que o novo áudio “muda tudo” e sugeriu que Janot desista da segunda denúncia contra seu cliente. / estadão


Outras citações 
Na entrevista a jornalistas, Janot afirmou que integrantes do Supremo também são citados na conversa de Joesley e Saud. / dominio


Prova involuntária 
O áudio em questão foi entregue ao Ministério Público pela JBS em 31 de agosto, como complemento da delação fechada em março. Por ora, tudo indica que os advogados queriam mostrar provas contra o senador Ciro Nogueira e revelaram a conversa de Joesley e Saud involuntariamente. / folha


fique atento a isto — 
Olimpíada na Lava Jato 
Policiais realizam na manhã de hoje operação para investigar suspeitas de compra de votos para eleger o Rio como sede dos Jogos 2016. Entre os alvos estão Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, e o empresário Arthur Soares Filho. / o globo

Agora vai? 
Líderes partidários fecharam ontem um acordo que prevê o início da votação da reforma política na Câmara. A ideia é que os deputados aprovem hoje a cláusula de barreira, que dificulta a atuação de partidos pequenos, e o fim das coligações. / valor

fonte:Nexo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário