quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Noticias do escritor Alex Nascimento por sua mulher Mari

foto:internet

Boletim do Bardo n.º 02
(Achei boletim do bardo, melhor, o que vocês acham?)

Bom dia, pessoas amigas!
Vamos atualizar esses corações atenciosos?
Essa semana teve muita aventura.
Na quarta-feira, Alex almoçou em ótima companhia.
Ugo, que é o único filho que está em Natal atualmente, (Ana Luíza chega dia 25!) veio nos acompanhar na primeira saída do Bardo depois que chegamos em casa.
Mas, Ana Lu, Manu e Matheus estavam juntinho da gente o tempo todo, por mensagens, energia positiva que cada um tem.
Alex não tem ideia da sorte que ele tem em forma de 2 meninas e 2 meninos.
👩🏻‍🦰👩🏻🧑🏻👮🏼‍♂️

Mas, vamos lá:
Fiquei observando a conversa e tive a certeza de que ele estava mais orientado do que nunca.
Ele adorou!
Mamãe e meu irmão também vieram, pra da um suporte na organização da correria do dia.
Foi um almoço de uma família não convencional, mas todos estavam ali representando a atenção e o carinho de cada um de vocês, com o Bardo.
E vamos à saga do translado:
Eu liguei para a Unimed e vi que o serviço de utilização da S.O.S ambulância não cobria a finalidade que precisávamos. Então fiz a tomada de preço e fui ligar para a concorrência.

E pasmem!
Recebi de várias empresas de transporte em ambulâncias a seguinte frase: “Ele não tem fratura de fêmur? Melhor chamar o porteiro pra lhe ajudar a desce-lo na cadeira de rodas.”
E foi aí que o meu lado mais otimista resolveu escutar aquilo como um sinal.
O valor do passeio de ambulância era pouco menos do valor de uma cadeira de rodas, e nós não iríamos sair de casa, nessas condições, somente uma vez.
Então, comprei uma cadeira de rodas e liguei pra um amigo de infância e coração, que é acostumado a pegar peso nos boxes de crossfit, e expliquei a situação.
Na hora marcada, ele veio com reforço e Alex desceu lindo e belo na sua cadeira de rodas própria 0km.
Ugo nos acompanhou, e seguimos para o Trauma Center.
Lá, iniciamos a primeira etapa de revisões.
Vamos começar de baixo pra cima?

A *perna, internamente está ótimo. 🦵🏻
E as primeiras sessões de fisioterapias já foram solicitadas.
O *ombro.💪🏻🦾
Bem, a rebeldia e insubordinação do Bardo, modificaram o estado do procedimento. O médico me falou, que não estava da mesma forma que saiu da cirurgia, ou seja, a teimosia do menino estava comprovada num raio-x ⚡✖️.
Mas fiquem tranquilas(os), não é nada que precise de intervenção cirurgia, é pior, necessita de repouso e quietude, tudo que um menino medonho dá trabalho pra cumprir.
Também foi observada uma fratura “nova” pra coleção; é uma pequena fratura na escapula, muito provavelmente “agravada” pela insistência do Bardo em ficar pedindo pra virar de um lado para o outro a noite inteira.
Mas o menino tem sorte, viu?
Quem não tem é a cuidadora!

Porque todos esses detalhes são sanados com repouso e postura adequada.
Como é que dizem por aí? “Eu que lute!” Não é isso? 🤷🏽‍♀️
Quase 20:00 da noite de quarta-feira, dia 04/11/2020, chegamos para segunda etapa de revisões.
Dourado, um grande amigo de Alex, pediu para que o sobrinho, Dr. Mário Emílio Dourado, avaliasse a questão neurológica de Alex, e mesmo à distância, a atenção, prontidão e gentileza dele, nos acompanhou. 💚
Ele pediu para que o colega, Dr. Paulo Rodovalho avaliasse a tomografia de Alex.
E assim foi feito.

Eu peço desculpas por não ter gravado os preciosos detalhes da brilhante explicação do Dr., então vou tentar explicar sem os termos médicos adequados, tá bom? 🤓
Lembram da pequena hemorragia que o organismo ia absorver?
Pronto!
Essa tomográfica foi exatamente pra avaliar esse processo.
E foi observado que essa região tinha um pequeno aumento.
Calma! Isso não quer dizer que o aumento é de sangue.
Porque o organismo, na tentativa de facilitar o processo de absorção, libera fluidos para diluir a hemorragia; então, muito provavelmente esse aumento é devido a esse processo.

E como o organismo ainda não está absorvendo, ou se está, é em uma velocidade pequena, não sei, precisamos observar o comportamento de Alex e ir periodicamente ao Neurologista, porque dependendo da resposta do organismo, há uma possibilidade de fazer um procedimento para limpar essa área e minar o risco de uma possível pressão intracraniana, causada pelo líquido que o organismo vai jogando pra tentar absorver a hemorragia que houve.
Me fiz entender?

Agora, fiquem tranquilas(os), porque Alex está tranquilo, não apresentou nenhum sintoma possível desse quadro, e o procedimento também é tranquilo. Então, vamos ficar todos calmos, combinado?
Na volta pra casa, eu não sei a crença de vocês, mas eu acredito em Deus, em São Miguel Arcanjo e no retorno de energias positivas que emanamos para o universo, porque lá no hospital, demorou um pouquinho e a "equipe" que desceu, já não poderia mais subir Alex quando chegássemos em casa.

Era mais ou menos 22:30 e assim que eu cheguei em casa, trabalhada no cansaço e coragem e fé, apareceram dois vizinhos maravilhosos e fortes para serem o elevador humano do Bardo, e quando eu digo que apareceram é porque foi bem isso mesmo, eu nem precisei chamar.

Ah!
Mas a aventura não para por aí!
Na sexta-feira, dia 06/11/2020, deixei meu irmão olhando meu menino de 73 anos de idade, e fui com mamãe pra parte que eu adoro: burocracia:
-Peguei a cópia do boletim no Walfredo.
-Peguei todos os exames realizados no Hospital do Coração.
-Fiz o boletim de ocorrência, já com todos os dados do motoqueiro.
E quando eu pensei que ia voltar tranquila e contente para o aconchego do lar e dos prazos processuais que eu tinha que cumprir; eis que meu irmão me liga dizendo que Alex está reclamando do olho que está insuportavelmente doendo (parecia até ligação da escola pra ir buscar o menino que está doente).

Cheguei em casa, e comecei a saga por tentar achar alguém na rua que descesse esse menino, e o levei à Dr. Israel Monte, oftalmologista que fez a cirurgia de catarata dele. Medicado, satisfeito pelo passeio e todo faceirinho, retornamos pra casa e o olho melhorou do ressecamento.
Acho que ele queria era passear e ver gente querida! 🤔
Não duvido nada. 😄

Agora, vamos às dores!
Eu o sinto mais forte, com mais coordenação motora, colaborativo no banho (inclusive tomou o segundo banho de chuveiro ontem! 🥳👏🏾), mas, a reclamação das dores é basicamente a mesma, eu sinto que está melhorando, mas entendo que seja tanta dor junta que ele ainda não pode fazer essa observação.
Mas quem sabe no próximo boletim?
🙏🏾🙌🏾🤞🏾🍀

Bem...é isso.
O sumiço e não respostas dessa semana está amplamente justificado pelas descidas e subidas do Bardo, o que requer planejamento, desespero, descabelação e agonia dessa humilde cuidadora.
E minha gente, deixa eu humanizar minha imagem um pouquinho.
Tenho recebido tanto elogio, tantas palavras lindas sobre mim que, às vezes, eu fico até constrangida por não me reconhecer nas descrições.
E senti que preciso também falar das minhas falhas.
Cuido.
Cuido com amor, sim.
Mas o Bardo é um insubordinável adorável, mas insubordinável.
O que me faz também, brigar com ele, colocar de castigo (esse é brincadeirinha, o castigo já está grande pra ele), me estressar, negar levá-lo para fumar (que eu sei que acalma a alma dele, mas prejudica a cicatrização das feridas).

Eu também tenho ânsia de vômito, quando estou retirando a pele necrosada das feridas.
Eu choro.
Bem, eu devia esse relato bem real, pra ficar em paz com os elogios lindos que me fazem.
Abraço de Mari. 👩🏽‍🦱
Um beijo do Bardo. 👴🏻
E tchau não, um até mais cai bem! 🍃🌻💛

Nenhum comentário:

Postar um comentário