segunda-feira, 22 de julho de 2019

CAE quer explicação sobre liberação do sal chileno para o mercado brasileiro


Medida Antidumping
O Rio Grande do Norte deve se preparar para entrar em uma disputa na defesa do sal produzido no estado. A produção salineira potiguar foi surpreendida com a decisão do governo Bolsonaro de manter a suspensão de medida antidumping no preço de compra do sal chileno. A ação antidumping proibia a importação de sal oriundos do Chile com valores mais baratos que a produção nacional.



A favor do sal nacional
A decisão do governo levou o senador Jean Paul Prattes a convocar o Secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Prado Troyjo, para ser ouvido na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal (CAE). 

Leva secretário a CAE
Prattes pretende saber o que levou o governo brasileiro a tomar tal decisão, em favor das empresas estrangeiras, prejudicando a produção salineira do Rio Grande do Norte na disputa com o sal originário do Chile. Iniciada em 2011, a medida beneficiava a produção das salinas localizadas no Rio Grande do Norte.
O senador acredita que estamos diante de uma clara preferência pelo sal estrangeiro em detrimento ao nacional.

Tribuna do Norte, 21 de julho

Nenhum comentário:

Postar um comentário