Home

Anúncio Publicitário

header ads


                     Um “mal-estar” entre o Centro de Inteligência dos Juizados Especiais do TJRN e a Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte (OAB/RN) surgiu a partir da Nota Técnica elaborada pelo juiz Paulo Marques, e aprovada por oito magistrados e magistradas, que revelou um esquema de litigância e demandas fabricadas no âmbito do “juizado de pequenas causas”, transformando-o em verdadeiro “cassino gratuito”. A nota está publicada no Diário Eletrônico da Justiça de 27 de janeiro.

 

... são alvos

                     De acordo com a nota, o “esquema”  começa com o ajuizamento de causas repetitivas, em lotes imensos de processos, com tese jurídica “fabricada” com o objetivo de enriquecer ilicitamente partes e advogados. Só no RN, quatorze advogados (maioria com a inscrição na Ordem dos Advogados do Mato Grosso) já ajuizaram quase 15.000 processos. Todas as ações tem o mesmo tema: “inscrição indevida em cadastro de inadimplentes decorrente da negativa de contratação”.

 

OAB

                     Diante da acusação, o Conselho Seccional da OAB/RN criou Comissão Especial formada exclusivamente para tratar do caso, sob a coordenação da secretária-geral adjunta, Milena Gama, em parceria com a Comissão de Fiscalização do Exercício Profissional, presidida por Luiz Carlos Batista Filho.

 

Parte ofendida

                     Entre as medidas tomadas pela OAB/RN consta a que seja oficiado à direção da CIJESP um pedido de “provas” que levaram à elaboração da NT, “especialmente que informe qual a metodologia de trabalho foi adotada para concluir que o maciço número de distribuição no período pesquisado (entre 2019-2020) foi em razão de demandas repetitivas. Ademais, requer que seja informada a existência de processos que estão sendo considerados suspeitos de serem causas fabricadas e demandas agressoras.”           

                     O tema promete desdobramentos “... Se comprovado que os advogados atuaram ilegalmente, a OAB tomará todas as medidas cabíveis", explicou Aldo Medeiros, presidente da Ordem potiguar.

 

Coluna Rosalie Arruda

Tribuna do Norte, 08 de fevereiro 

Poste um comentário

comente aqui..

Anúncio Publicitário

Moura

Anúncio Publicitário

GOV RN