Home

Uma auxiliar de limpeza que trabalhava na garagem de uma empresa de ônibus de São Paulo há 10 anos, foi demitida por justa causa por não ter se vacinado contra a Covid-19.
Ela provocou a Justiça, mas a juíza responsável pelo caso manteve a justa causa. Segundo a magistrada, devido à desinformação, a mulher colocou a própria saúde e seus direitos trabalhistas em risco.
A mulher foi demitida em setembro, após ser advertida ao longo de três meses sobre a necessidade do passaporte vacinal. Antes da dispensa, a empresa dera prazo de 20 dias para que ela iniciasse o ciclo vacinal. Ela alegava ter contraindicação médica, quando, na verdade, um atestado indicava que ela não poderia ser vacinar apenas enquanto estivesse com gripe. 

Poste um comentário

comente aqui..

Anúncio Publicitário

Banner

Anúncio Publicitário

header ads