sexta-feira, 24 de abril de 2020

Bolsonaro: "Nunca pedi para blindar ninguém da minha família".


Bolsonaro falou em entrevista esta tarde sobre a renúncia do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Ele estava ao lado de 20 ministros e começou dizendo que quando estava internado da cirurgia da facada que levou durante a campanha, no hospital Albert Einstein, recebeu uma ligação "de uma pessoa" que queria levar o Sérgio Moro para visitá-lo. "Não aceitei porque não queria aproveitar do prestigio dele para vencer no segundo turno". Bolsonaro disse que depois que ganhou a eleição, recebeu o Moro em sua casa na Barra da Tijuca. 

"Como o senhor ex-ministro disse, hoje tem uma biografia a zelar, digo que tenho o Brasil a zelar". Dar a vida pela minha pátria se preciso fosse, disse.

Bolsonaro disse que sempre foi alvo de "acusações mais torpes possíveis" e quase que implorava informações da Polícia Federal. 

Moro anuncia saída do ministério após interferência política no órgão

"Conversando ontem, chegou na questão Valeixo. Não tenho nada contra ele. Falei com ele algumas vezes, na maioria das vezes estava o Sérgio Moro de lado. Falei que o DOU publicaria a exoneração. Ele relutou. O nome tem que ser o meu. Porque tem de ser o dele, ou não o meu, ou não consenso de nos dois?
No dia que for subordinado a um auxiliar deixo de ser presidente da república", disse o presidente.

"Interferência na PF, ora bolas, se posso trocar o ministro porque não trocar o diretor da PF? não preciso pedir autorização para ninguém. Isso é interferir na PF? quase exigir que apure quem mandou matar o Jair Bolsonaro. Mais se preocupou com Marielle que com o seu chefe supremo" disse Bolsonaro.

Bolsonaro disse ainda que Moro falou a ele que poderia trocar o Valeixo, mas depois que indicar ele para o Supremo Tribunal Federal. É desmoralizante para o presidente ouvir isso, ou externar. Sugerir a troca de dois superintendentes, entre 27 deles.

"Nunca pedi para blindar ninguém da minha família". 

"Não tenho mágoa do senhor Sérgio Moro. Disse hoje de manhã a deputados que tomaram café comigo. Hoje vocês vão conhecer quem não me quer na cadeira presidencial. vocês vão conhece-lo às 11 da manhã. poderia ser candidato em 2018, mas não posso conviver com que pensa bastante diferente de você. 
Torci muito pra dar certo, mas infelizmente, ou felizmente. Sempre fui do diálogo. ele resolveu marcar coletiva e fez revelações infundadas que lamento. 

Depois, Bolsonaro leu uma nota escrita e deu por fim a coletiva. "Estou decepcionado e surpreso".

Nenhum comentário:

Postar um comentário